CONFIRA 4 DICAS PARA SE DAR BEM NA PROVA DE PORTUGUÊS DO ENEM

Por Caroline Sá Ferreira, Assessora de Comunicação do CSCM- Brasília, e Rosângela Costa, professora de Língua Portuguesa da unidade.

O estudante que ler atentamente qualquer das provas anteriores do Exame Nacional do Ensino Médio – Enem, vai constatar que a maior parte das questões, de todas as disciplinas, depende da habilidade de interpretação de texto e leitura. Na prova de Linguagens, essa capacidade é, sem dúvida, a mais importante.

De acordo com a professora de Língua Portuguesa, Rosângela Costa, do Colégio Sagrado Coração de Maria – Brasília, os alunos devem focar a atenção na interpretação textual, nos gêneros textuais, na variação linguística e nas funções de linguagem. Ela afirma que a prova de Língua Portuguesa apresenta questões que necessitam de muita interpretação e de uma análise atenta dos textos.

Para contribuir com os estudos dos nossos alunos da Rede Sagrado – CSCM, a professora aconselha quatro conteúdos que devem ser estudados com afinco para a prova do ENEM de 2017.

Confira, abaixo, esses valiosos conselhos:

1) Interpretação Textual

Perpassa por todas as questões e é necessário atenção, principalmente, em relação às palavras-chave que compõem os enunciados, tais como: “inferência”, “compreensão” e “análise”.

2) Gêneros textuais

 É preciso saber reconhecer, identificar as diferenças e entender a função dos gêneros que      fazem parte da nossa Língua. Cada gênero textual possui características específicas de estilo e estrutura, variando de acordo com a função social do texto

3) Variação linguística

Os candidatos devem ficar atentos às variantes linguísticas: Situacional, Geográfica, Histórica e   Sociocultural. Além disso, a questão do Preconceito Linguístico vem sendo abordada nos últimos anos.

4) Funções da linguagem

 É de extrema importância o candidato conhecer e saber identificar todas as funções da   linguagem: referencial ou denotativa, emotiva ou expressiva, fática, conativa ou apelativa, poética e metalinguística. Faz-se necessário, também, um estudo acerca dos elementos de comunicação: emissor, receptor, canal, código, referente e mensagem.

Você sabe como funciona o Enem?

 As datas das provas do Enem 2017 serão nos dias 05 e 12 de novembro. A partir deste ano, as provas vão acontecer em dois domingos consecutivos, excluindo o sábado. O Ministério da Educação – MEC acredita que os estudantes serão beneficiados com o novo sistema de aplicação.

O Enem avalia o desempenho do estudante e ajuda:

No acesso à Educação Superior   

Sisu

Prouni

Pronatec

Instituições Portuguesas

– No financiamento estudantil

FIES

Como funcionam as provas?

*As provas objetivas são compostas por 45 questões cada.  

Ciências Humanas e suas Tecnologias

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Matemática e suas Tecnologias

*A Redação funciona da seguinte maneira:            

Texto dissertativo-argumentativo a partir de uma situação-problema (política, social ou cultural)

30 linhas no máximo

Quais são as novidades do Enem 2017?

 Provas em dois domingos consecutivos

 Redação no primeiro dia

Nada de certificação

Provas com o seu nome

Vídeo Prova em Libras

Solicitação de tempo adicional no ato da inscrição

Declaração de comparecimento impressa por você

Novas regras para isenção e ausência

Importante: Leia o edital! Nele estão todas as informações que você precisa saber sobre inscrições, provas e resultados.

Baixe o arquivo aqui!

E aí, gostou das dicas dadas pela educadora do CSCM – Brasília? Se sim, comente e compartilhe esse post.

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado

 

 

APRENDA COMO O JÚRI SIMULADO AUXILIA NO ESTUDO DA QUÍMICA

Por Luciana do Nascimento Rodrigues, professora de Ciências do 9º ano do EFII e de Química das 1ª e 3ª séries do EM do CSCM-Vitória

A Química proporciona um aporte essencial à humanidade, sendo inquestionável sua importância para o bem estar da sociedade. É devido a essa ciência, que o mundo se tornou um lugar mais confortável para se viver. Infelizmente, sua potencialidade para o mal é a faceta mais conhecida.  É possível desenvolver o senso crítico do estudante sobre esse assunto e seu posicionamento de forma fundamentada a partir de um debate, levando-o a tomar um posicionamento, exercitando a expressão e o raciocínio a partir da realização de um Júri Simulado.

Podendo ser apresentado como uma dinâmica que visa estimular a reflexão dialogada, o pensamento crítico, a exposição e o respeito às diferenças e a tomada de posição a partir de argumentos sólidos, o Júri Simulado é uma forma de, além de aprender os conteúdos curriculares formais, fazer escolhas críticas, se preparando para o novo, agir com autonomia e saber gerir a informação.

A atualidade exige que os indivíduos reflitam, buscando novas soluções e ideias, pois os velhos procedimentos já não atendem às necessidades cambiantes modernas. No entanto, essas competências só poderão ser estimuladas através da compreensão dos conteúdos e de um ensino-aprendizagem que promova a autorregulação do aluno para aprender.

Com objetivo de debater os benefícios e malefícios da Química para a sociedade, foi realizada uma sequência didática de quatro aulas de 50 minutos, com as turmas da 1ª série do Ensino Médio do Colégio Sagrado Coração de Maria Vitória. As aulas utilizadas para a realização dessa atividade aconteceram na oficina de intervenção, que têm como principal objetivo a realização de ações interventivas aos alunos que apresentam dificuldades na aplicação e execução das habilidades consideradas fundantes em sua série.

A partir da escolha de estratégias diferenciadas de aprendizagem, com a utilização de recursos lúdicos e dinâmicos, são planejadas aulas versáteis que fogem o comum e o cotidiano frequentemente vivenciado pelos alunos, estimulando a aprendizagem significativa.

Confira, agora, o passo a passo das aulas e aprenda como reproduzi-los com seus alunos (as) e ou filhos (as):

 

• Na primeira aula, foi apresentada a proposta de trabalho para as turmas através da exibição do documentário “Desastre Químico de Bhopal” (momento conceitual). Em seguida, foi realizada uma discussão dos principais pontos levantados pelos estudantes;

• A segunda aula, aconteceu na biblioteca, onde a turma foi dividida em quatro grupos: advogados de defesa, promotores, testemunhas e jurados, a fim de se organizarem e elaborarem seus argumentos sobre o assunto estudado, mediado pela professora (momento procedimental);

• Após organização do material e dos temas a serem apresentados pelos grupos, os jurados tiveram que manifestar seus votos com justificativa a favor ou contra o uso da Química pela sociedade. Os votos foram recolhidos pela professora a fim de obter uma primeira impressão dos alunos antes do debate ser iniciado. Os votos não foram divulgados;

• Nas duas últimas aulas, acusação e defesa começaram o debate acompanhado pela professora, que fez papel de juiz, tendo em vista o ritmo de cada aluno. As testemunhas colaboraram nas discussões, havendo um revezamento entre a acusação e a defesa. Terminado o tempo das discussões, os jurados decidiram sobre a sentença, justificando sua decisão (momento atitudinal);

• Após o término do júri, os votos foram computados e foram feitas avaliações e comentários sobre as justificativas. Nas duas turmas aplicadas, a Química foi absolvida em uma e houve um empate na outra.

O veredito

As principais justificativas dadas pelos jurados pela condenação e absolvição da Química, foram as seguintes:

A partir da realidade do contexto estadual, nacional e mundial, a Química foi definida como principal causa do aquecimento global, da poluição atmosférica, da água e do solo, bem como da geração do lixo e do esgotamento das fontes naturais. Vários acidentes ambientais foram citados para exemplificar, como o da represa da Vale em Mariana, o problema do “pó preto” e a poluição da Baía de Vitória.

Os estudantes mostraram-se muito preocupados com a utilização de substâncias químicas na confecção de artefatos de guerra e armas em geral e ainda para a produção de substâncias tóxicas para fins militares. Citaram armas químicas, como agente laranja, as armas nucleares, fósforo branco e o grande problema do uso de pesticidas, que causam muitos males a quem os utiliza.

O uso de animais para testes em experimentos foi um tema que também incomodou muito os estudantes, porém citações relativas à melhoria das condições da qualidade de vida e da preservação ambiental, contribuindo para a obtenção de medicamentos que vão desde os antigripais comuns até os quimioterápicos, dos alimentos, das fibras naturais e sintéticas utilizadas no vestuário e os novos materiais. Foram citados, assim como os combustíveis, os materiais utilizados nos equipamentos tecnológicos, os perfumes e todos os produtos cosméticos.

Também foi levantada a questão acerca da Química que é feita para poucos, uma vez que os avanços tecnológicos nem sempre são acessíveis a todas as pessoas da sociedade e de que o problema não é a ciência Química e sim de quem a usa e que, para minimizar os impactos decorrentes desse uso, a solução é a sustentabilidade.

“A análise dos resultados nos permitiu concluir que houve sucesso em se realizar o júri, uma vez que, ao comparar os votos e as justificativas antes e depois das discussões, os argumentos por parte dos estudantes afastaram-se do senso comum, alcançando assim uma aprendizagem significativa do tema abordado”, relata a professora Luciana Rodrigues.

E aí, gostou dessas valiosas dicas do CSCM – Vitória? Se sim, comente e compartilhe esse post.

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado

SAIBA COMO APROVEITAR O RECESSO ESCOLAR

Por Giselle Teixeira, Coordenadora Educacional do 9º ano e Ensino Médio do CSCM-RJ

Antigamente, brincávamos no quintal, na rua, na pracinha. Hoje, nossas crianças e jovens vivem trancados nos apartamentos, no quarto, e “conectados” nas mídias sociais, no videogame e/ou no tablet. É triste, mas, com a vida que levamos nesta grande metrópole, trocamos as brincadeiras nas ruas pelo isolamento em casa.

Acredito então que, no recesso de julho, os pais devem tentar oferecer aos filhos maior contato com a natureza, com as pessoas e com a cultura. Devem proporcionar momentos em que os jovens consigam movimentar-se, explorar seus sentidos (olfato, tato, paladar, audição, visão) e, consequentemente, trazer benefícios ao corpo e à mente.

Pode-se pensar que isso só é viável se viajarem. No entanto, os pais podem apelar para idas aos espaços abertos na cidade ou para locais que, hoje em dia, já oferecem atividades dirigidas nessa época do ano. Se trabalham, o ideal é conseguir uma avó ou a mãe de um colega para, por exemplo, acompanhar os jovens em um piquenique, em uma ida ao teatro, ou até mesmo pesquisar uma colônia de férias para o  filho . O importante é a criança interagir, divertir-se, gastar a energia que tem, em contato com seus pares e com a natureza.

O pesquisador americano Richard Louv reforça esse pensamento e usa o termo transtorno de déficit de natureza. Suas pesquisas e argumentos mostram que o ser humano precisa de experiências na natureza e que esse contato com seres vivos traz benefícios ao rendimento acadêmico e à vida como um todo. Para ele, doses de natureza são fundamentais para compensar os efeitos mentais e físicos de nossa imersão tecnológica.

O aumento da obesidade, da depressão, do déficit de atenção – tudo isso é também consequência da falta de diálogo e de vida ao ar livre, do excesso de confinamento dentro de casa. Tirar o sapato, caminhar na grama ou na areia, mexer na terra e subir em uma árvore são diferentes de olhar a praia ou o gramado pela TV ou pelo computador. Uma coisa é experimentar, sentir; outra coisa é só olhar.

Já para os  alunos mais velhos, pode ser acrescentada também a leitura a essa programação, pois nossos jovens precisam dar um tempo das mídias sociais e enriquecer seu repertório cultural e vocabulário. Vejo a leitura como o melhor remédio para isso.

Os  pré-vestibulandos devem usar seu tempo de recesso de forma organizada, planejando seu horário para estudar, ler sobre atualidades, praticar redação e desfrutar de lazer. Devem ir ao cinema, fazer esporte, ir à academia, mas não podem se esquecer dos estudos.

Uma sugestão é estabelecer uma meta diária, por exemplo, de questões de suas apostilas a fazer por dia; e após o dever cumprido, realizar atividades relaxantes e desestressantes.

Se viver essas duas semanas com maior tempo livre de forma criativa, certamente o aluno voltará às aulas com mais bom humor e bem-estar. E sabemos que isso lhe trará maior produtividade e força para encarar um novo semestre.

E aí, gostou das dicas do CSCM – RJ? Se sim, comente e compartilhe esse post.

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado