DestaqueEducação InfantilEducacionalEnsino Fundamental IEnsino Fundamental II
Como trabalhar a empatia com as crianças?

Postado em: 8 de abril de 2022

Empatia é como chamamos a capacidade de compreender os sentimentos e o ponto de vista das outras pessoas. Trata-se da capacidade desenvolvida por uma pessoa ao sensibilizar-se com situações que não a afetam diretamente ou de colocar-se no lugar do outro perante um problema. 

A empatia é uma habilidade muito importante para viver em sociedade, fazer amigos e até construir um mundo mais justo. Por isso, essa competência deve ser estimulada desde a infância. Leia esse artigo para entender mais sobre o desenvolvimento de empatia.

Como desenvolver a empatia nas crianças?

Ao contrário do que muitos acreditam, a empatia não é uma característica inata. Ela pode, e deve, ser desenvolvida desde cedo, com o objetivo de formar pessoas mais inteligentes emocionalmente e comprometidas com uma sociedade melhor no futuro. 

Veja aqui como a família pode contribuir para o desenvolvimento da empatia nas crianças:

Seja um modelo

O diálogo é sempre positivo para o desenvolvimento humano da criança. Conversar abertamente é relevante para diversos aspectos da personalidade: promoção da autoconfiança, melhora da capacidade de expressar-se e axílio na construção da empatia.

Por parte da família, o diálogo demonstra cuidado com o bem-estar do outro e deixa claro que todos têm voz e importância naquele espaço. Ouvir o que a criança tem a dizer é fundamental para que ela se sinta acolhida e segura, além de ensinar o que é a empatia na prática.

Mostre a pluralidade do mundo

Ter consciência de que o mundo é muito mais diverso do que o círculo familiar é importante para que a criança entenda que existem diferentes culturas, crenças, dificuldades e, também, aparências físicas. 

Assim, explore livros e filmes de diferentes locais do mundo ou, até mesmo, de diferentes regiões do Brasil. Demonstre que a realidade em que a criança vive é apenas uma dentre muitas; logo, mostre algumas delas. Compreender essa pluralidade é a chave para desenvolver o respeito às diferenças e aprender, desde cedo, que todos possuem os mesmos direitos e são únicos – cada um na própria singularidade.

Tenha momentos de interação social

Interagir com pessoas de fora da família ou da escola também é importante para desenvolver a empatia. Passeios nos quais é necessário dividir o espaço com outra criança, como um parque, por exemplo, são boas oportunidades para incentivar a convivência social.

Afinal, a empatia diz respeito à solidarizar-se com outras pessoas, mesmo que desconhecidas. Se a criança está sempre entre amigos e familiares, dificilmente sai da zona de conforto e reflete sobre a posição de outros indivíduos na sociedade.

Atividades extracurriculares

Atividades extracurriculares como esportes ou aulas de teatro, também contribuem muito para o desenvolvimento da empatia. Nessas atividades, os educadores promovem práticas voltadas para o trabalho em equipe, a solidariedade e a inteligência emocional, competências que também se relacionam à convivência em sociedade. 

Além disso, as atividades extracurriculares são uma ótima maneira de fazer novos amigos e expressar-se de maneiras diferentes. Nesse sentido, a empatia é o resultado da construção de novas relações e dos desafios enfrentados em grupo.

Mostre que a mesma história tem vários lados

É a partir da pluralidade de ideias que ocorre o progresso de uma sociedade. Opiniões divergentes e versões diferentes da mesma história fazem parte da diversidade dos seres humanos. E, compreender isso, é importante para perceber que não estamos sempre certos ou errados.

Existem muitos livros sobre empatia que podem ser o ponto de partida para gerar reflexões. Converse sobre as diferentes interpretações da mesma história e utilize a leitura para debater com a criança sobre convivência, tolerância e empatia.

A empatia é uma habilidade importante para a convivência harmônica em sociedade, que ajuda a solucionar conflitos e a compartilhar alegrias

Coloque nossas dicas em prática para contribuir na inteligência emocional do seu filho! Gostou desse post? Compartilhe no grupo de pais!