Sem categoria
Saiba como incentivar a criança a ter autonomia

Postado em: 18 de novembro de 2021

Autonomia é a capacidade de fazer escolhas, agindo de acordo com a vontade própria e sem interferência decisória de outras pessoas. Toda criança vai crescer e precisar exercitar a autonomia, tomando decisões e lidando com os próprios erros. O ideal é ser um adulto independente, emocionalmente e intelectualmente.

Pensando nisso, a Rede Sagrado – Colégios Sagrado Coração de Maria elaborou um texto, com dicas para que a família incentive a autonomia das crianças. O objetivo é formar crianças proativas e que tomam decisões inteligentes desde pequenos. Confira seis dicas práticas!

  1. Estimule o auto-cuidado 

Seu filho pode praticar alguns hábitos de higiene e cuidado desde cedo. Quando já houver o mínimo de coordenação motora, ele já pode alimentar-se, escovar os dentes (sob orientação), tomar banho, vestir-se e pentear os cabelos. 

Praticar sozinho a higiene corporal contribui para a independência da criança bem como para a higiene a longo prazo. Ou seja, forma hábitos saudáveis.

  1. Permita que a criança tome decisões

Escolher as próprias roupas, itens do material escolar, o filme que a família vai assistir ou até o que comer é uma maneira de incentivar a autonomia da criança. É claro que essa escolha deve ser orientada pelos pais, mas de forma que a criança sinta-se capaz de fazer boas escolhas. Muitas vezes, a saída é permitir que ela escolha entre opções já pré definidas. Dessa forma, apresente sempre o lado positivo e o lado negativo das decisões dela, ponderando as situações. 

  1. Dê oportunidades de aprender 

Quando a criança se depara com um problema, o primeiro instinto do adulto é oferecer uma solução. Entretanto, essa saída fácil não permite que ela pense por si mesma e busque uma maneira de resolver os problemas sozinha. 

Permitir que a criança use a criatividade para solucionar pequenos desafios do dia a dia incentiva a autonomia, além tornar o pequeno autoconfiante. O papel do adulto é apenas orientar o raciocínio. Ajudar nos deveres da escola é muito diferente de fazer o dever pela criança, por exemplo. 

Fazer com que a criança reconheça os próprios erros também é importante, para que ela possa fazer diferente na próxima vez. Entender onde errou e como melhorar faz parte da autonomia.

  1. Estimule a comunicação

Expressar as próprias ideias, conversar e manifestar uma opinião são atitudes que fazem parte do desenvolvimento de uma criança autônoma. Até mesmo antes de aprender a falar, já é possível estimular as tentativas de comunicação.

Manter o contato visual, principalmente com bebês, perguntar como foi o dia na escola, demonstrar interesse nas temáticas de interesse da criança e perguntar a opinião dela sobre assuntos domésticos são algumas maneiras de fazer isso. É importante também não debochar, ignorar ou rir das opiniões dela, mas, quando necessário, mostrar gentilmente que é uma opinião inadequada.

  1. Ensine a lidar com as frustrações

Na vida adulta, sabemos que nem sempre saímos vitoriosos em todas as situações. O mundo não funciona de acordo com as nossas vontades, embora muitos pais se esforcem para realizar todos os desejos dos filhos. Esse é um erro comum, que é cometido por medo de decepcioná-los ou, simplesmente, pela dedicação à felicidade deles.

Ouvir não e não ter sempre “tudo o que quer”, também, é saudável para a criança. O “não” ajuda no desenvolvimento, na medida em que prepara a criança para a vida adulta e constrói uma inteligência emocional mais resistente.

  1. Envolva a criança na rotina doméstica

A realização de tarefas domésticas é benéfica não apenas para estimular a autonomia infantil, como também para desenvolver outras características importantes, como responsabilidade e capacidade de organização.

Guardar os próprios brinquedos é básico, uma tarefa que deve ser colocada em prática desde os dois anos de idade. Crianças um pouco mais velhas já podem: alimentar o animal de estimação, arrumar a cama após acordar, guardar as compras de supermercado e até tirar o pó. Por volta dos dez anos, já é possível delegar tarefas como a limpeza do carro, colocar e tirar os pratos da mesa ou ajudar a preparar refeições, por exemplo.

Cada família tem uma rotina doméstica diferente, basta pensar sobre o que a criança tem capacidade e habilidade motora para fazer. O importante é não finalizar a tarefa quando a criança demora demais ou se atrapalha, é necessário dar tempo para que ela aprenda.

Viu como é importante promover a autonomia desde a primeira infância?

Essas são algumas atitudes simples, que propiciam o desenvolvimento de autonomia em prol de cidadãos mais seguros de si, responsáveis pelas próprias atitudes e, sobretudo, com atitudes independentes.