POLÊMICAS DA INTERNET: CONFIRA 10 DICAS DE COMO ACONSELHAR SEU FILHO (A)


Por Caroline Sá Ferreira, Assessora de Comunicação do CSCM-BSB e Daniela Laender, Coordenadora Educacional do EF II e EM da unidade.

O uso da internet e o acesso a todo tipo de informação por parte das crianças e adolescentes são temas que sempre geram discussão quanto ao conteúdo que deveria ou não chegar a esses públicos.

Como podemos orientar os(as) filhos (as) sobre as notícias polêmicas que circulam nos meios de comunicação e nas mídias sociais? Quais conselhos devemos dar ao tratar o tema ‘uso consciente da internet’? O melhor é um diálogo aberto? Sabemos qual é e como orientar as crianças e adolescentes na construção do seu projeto de vida?

Pensando nessas questões acima, o Colégio Sagrado Coração de Maria- Brasília tem proporcionado aos seus alunos uma educação de excelência, fundamentada nos valores cristãos, promovendo o protagonismo na construção de competências, uma cultura da solidariedade e o compromisso com a transformação social.

Durante todo o ano letivo, a escola promove ações e projetos com o objetivo de proporcionar experiências que os capacitem a se tornarem sujeitos ativos, competentes e solidários, contribuindo para a melhoria da convivência em sala de aula, com a comunidade educativa e com a sociedade em que vivem.

As coordenadoras educacionais, com apoio das coordenadoras pedagógicas e professores, orientadas pelo Serviço de Orientação Religiosa- SOR, capacitam os estudantes a definir o seu projeto de vida, além de provocar reflexões que contribuam positivamente para sua vida escolar e pessoal.

Promover parceria entre a escola, família e aluno é fundamental para o CSCM-BSB. Para isso, a equipe pedagógica listou 10 dicas de como construir uma relação saudável com seus filhos (a).

Confira, abaixo, esses valiosos conselhos:

1. Acompanhe seu(a) filho(a) no desenvolvimento escolar.

2. Conheça os amigos(as) do seu seu(a) filho(a), inclusive os virtuais.

3. Esteja atento à classificação etária indicada para as mídias sociais.

4. Destine tempo de qualidade para passar com seu(a) filho(a).

5. Oriente seu(a) filho(a) sobre temas polêmicos abordados pela mídia em jornais, televisão e/ou redes sociais.

6. Estabeleça uma parceria com a escola e procure a coordenação educacional sempre que notar uma mudança comportamental do(a) seu(a) filho(a).

7. Motive e elogie seu(a) filho(a) no dia a dia.

8. Promova uma alimentação saudável ao seu(a) filho(a) e o incentive a praticar de esportes.

9. Evite comparar seu(a) filho(a) com outras crianças e adolescentes;

10. Se notar qualquer conteúdo suspeito em históricos ou buscas no computador do seu(a) filho(a), o(a) chame para conversar e pontue os riscos que ele(a) corre com esse tipo de comportamento.

E aí, gostou das dicas dadas pelos profissionais do CSCM-BSB? Se sim, comente e compartilhe esse post com seus filhos (as), amigos (as) e familiares.

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado

ADAPTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONHEÇA PRÁTICAS DE SUCESSO

Por Ana Luisa Guimarães , Coordenadora Pedagógica da EI e 1º ano do EFI do CSCM-BH, e Isabella Loureiro, Assessora de Comunicação da unidade

Os primeiros dias das crianças pequenas na escola, certamente, são marcados pelas expectativas de seus pais. É muito comum que alguns sintam angústia até certificarem-se dos cuidados que serão oferecidos aos seus pequenos. Entende-se por esses cuidados a necessidade de acolhida, compreensão sobre os processos de aprendizagem, desenvolvimento e atenção às necessidades vitais das crianças, como alimentação, higiene, sono e oferta de brincadeiras.

A palavra adaptação é entendida pela Pedagogia e Psicologia Comportamental Cognitiva como a capacidade de mobilizar esquemas mentais (cognitivos e socioafetivos) que possibilitem a integração (sujeito + pares) a um novo ambiente. Significa dizer que pais, as crianças e toda a comunidade educativa são modificados pela experiência que vivem no ambiente escolar, e o processo de adaptação insere esses sujeitos em uma zona de desenvolvimento.

Por um lado, as crianças precisam empreender esforços, utilizando-se de esquemas mentais e emocionais já existentes, para adaptar-se a esse novo ambiente. Por outro lado, pais e professores precisam estimular as crianças e confiar que a segurança advinda do ambiente familiar irá facilitar a interação que elas estabelecerão com os pares na escola.

Inserir a família no processo de adaptação é importante para que os pais vejam a ação da professora com as crianças e das crianças com seus colegas . Esse é um momento rico para a observação das professoras, pois um novo grupo de crianças está se constituindo. É preciso dar tempo para que as crianças confiem nesses novos adultos que serão responsáveis pela mediação do que elas irão fazer e aprender na escola.

No Colégio Sagrado Coração de Maria de Belo Horizonte (CSCM-BH), a primeira ação de adaptação das crianças começa junto às famílias, antes mesmo do início do ano letivo, quando é realizada a reunião de pais da Educação Infantil e 1º ano do Ensino Fundamental I. Momentos como esses são oportunos para minimizar a angústia dos pais, além de facilitar a sua compreensão deles em relação ao acolhimento de seus filhos, dentro da necessidade de cada.

No CSCM-BH, o processo de adaptação é encarado como um valioso momento para experenciar sucessos e frustrações, vivências que se tornarão bases consistentes para a autoeficácia e o crescimento de todos os envolvidos nesse processo: pais, crianças e escola.

Nas galerias de fotos da Educação Infantil do CSCM-BH, é possível conferir, na prática, algumas estratégias adotadas no início do ano para favorecer o processo de adaptação das crianças recém-chegadas à escola. Conheça, agora, algumas delas:

• Tour pelos espaços físicos do CSCM-BH

• Piquenique no Parquinho

• Experiência prática na Horta

• Participação de membro da família na rotina da criança na escola

• Escolha de um objeto de vínculo – um pouco da escola em casa

E você, pai, mãe, educador: como tem contribuído para a adaptação do(a) seu (sua) filho(a) na escola? Deixe sua mensagem nos comentários!

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado

DESFRALDE COM SUCESSO? CONFIRA 10 DICAS DE COMO EVITAR ERROS NESTA IMPORTANTE FASE INFANTIL

Por Natasha Franco – Assessora de Comunicação do CSCM-RJ

O desfralde é uma importante fase na vida da criança e dos pais. Mas, quando deve acontecer? Todos os amiguinhos da turma da escola já não usam mais a fralda. Isso significa que a criança está pronta?

Com o objetivo de esclarecer dúvidas como essas e alinhar as etapas do processo junto à mães e pais, o tema “Adeus, fralda!” foi escolhido para a mais recente edição do “Trocando em Miúdos”, projeto da Educação Infantil do Colégio Sagrado Coração de Maria do Rio de Janeiro (CSCM-RJ), destinado aos responsáveis pelos alunos do Maternal I.

Participantes do projeto “Trocando em Miúdos”

O desfralde é uma fase de muitos dilemas e, para entender mais sobre o assunto, a Assessora de Comunicação da unidade, Natasha Franco, conversou com a Coordenadora Pedagógica do segmento, Andrea Miranda, Pedagoga Especialista em Desenvolvimento Infantil.

Pedagoga Andrea Miranda

Na entrevista pingue-pongue, a seguir, Andrea explica a necessidade de respeitar o tempo de cada criança para que seja um período livre de traumas. Além disso, será possível entender o porquê de esse momento representar um dos primeiros passos da criança rumo à autonomia e o motivo de se considerar o processo como uma temporada de descobertas das capacidades que possui e do próprio corpo. Para nos ajudar a desvendar o tema, a pedagoga também abordou questões a respeito do necessário desenvolvimento neurológico e físico.

1 – Como é possível perceber o momento em que a criança está realmente pronta para vivenciar a fase do desfralde?

Para alcançar o que chamamos de “desfralde com sucesso” é preciso, antes de tudo, entender que cada criança tem o seu próprio tempo. Não é correto fazer comparações. Só porque a maioria das crianças da turma já está sem a fralda, não significa que todas estão prontas para deixá-la. Outra situação típica é quando os pais organizam o momento do desfralde de acordo com suas próprias necessidades. É comum ouvirmos “no final do ano vamos viajar, então o meu filho precisa ter largado a fralda até lá.” É necessário ter a consciência de que se trata de uma necessidade da criança e não dos responsáveis. Em períodos de alteração de rotina devido a cenários mais conturbados, como mudança ou pessoas doentes na família, o indicado é deixar o desfralde para depois. Em situações assim, as pessoas tendem a estar mais estressadas e o desfralde é uma fase que exige paciência dos pais para que a criança não desenvolva baixa autoestima ou traumas.

2 – Há uma idade específica indicada para iniciar o processo?

Sugerimos iniciar o procedimento a partir dos dois anos porque é uma fase em que verificamos que a criança já anda, tem o mínimo de paciência para ficar sentada e apresenta movimento motor mais articulado. Características percebidas, por exemplo, quando ela sobe e desce escadas alternando os pés acertadamente e presta atenção no que os adultos dizem, demonstrando que está entendendo. Também quando ela mesma começa a querer retirar a fralda; quando, na hora de trocá-la, percebe-se que a fralda está, a cada dia, mais sequinha; ou quando a criança sabe o lugar dos objetos e começa a guardá-los corretamente. Esses são pontos subliminares que requerem atenção. É nessa fase que a criança começa a compreender que tem desejos e capacidade de dizer “não”. Ela passa a fazer xixi e cocô em horários previsíveis e a ter mais consciência do próprio corpo. Entendemos que, para iniciar a fase de desfralde, a criança precisa assimilar as “4 ações”: percepção da vontade, fazer as necessidades, dar descarga e lavar as mãos.

3 – Quais orientações você daria aos pais?

A primeira tarefa dos pais é não pular etapas, é perceber a sinalização da criança. Devem conversar e explicar o motivo de elas terem que deixar a fralda. A escola é parceira nesse momento, mas o movimento precisa começar em casa. Os responsáveis devem estabelecer, para seus filhos, o local correto de fazer as necessidades, com um bate-papo descontraído e lúdico. A tendência é a própria criança começar a demonstrar o desejo de usar o vaso sanitário ou o penico, uma vez que ela encontra-se numa fase em que imita os mais velhos com gestos. Outra sugestão é mostrar às crianças fotos da época em que eram bebês, para perceberem que estão crescendo. Para os pais de meninos, é indicado orientar os filhos a começarem sentados. Nessa idade, as crianças têm controle motor, mas não o domínio completo do próprio corpo: geralmente, quando evacuam, a tendência é urinar junto. É muita informação para a criança. Caso contrário, pode ser que ela suje o ambiente e fique frustrada com a situação, o que pode prolongar o período de desfralde.

4 – Como a escola atua nessa fase? Como funciona a parceria com as famílias?

O discurso da escola e dos pais precisa ser o mesmo. Como o processo é iniciado com a família, orientamos que as crianças comecem deixando de utilizar fralda em casa, no fim de semana. A partir daí, os responsáveis nos avisam para que o acompanhamento seja em conjunto. No colégio, os pequenos costumam se motivar quando percebem que os coleguinhas já estão indo ao banheiro para fazer suas necessidades. Há vertentes que defendem a retirada imediata da fralda e outras que indicam que o processo deve acontecer aos poucos. Nós do CSCM-RJ, acreditamos que retirar imediatamente é melhor, com uma ressalva somente para o período noturno.

5 – Quais são os principais erros cometidos por pais e mães nessa fase?

Além de antecipar o processo e comparar com irmãos ou amigos, como já vimos, é errado expor a criança em lugares públicos. Não é por ser criança que pode fazer em qualquer lugar. Isso vale, inclusive, para o ambiente do próprio lar. Lugar de penico é no banheiro; não é no quarto nem na sala. Esse não é um momento público. Apressar a criança ou dar bronca quando ela não conseguir se segurar também não são atitudes positivas. Para ela, é uma fase de superação; é preciso ter paciência e incentivar com frases como “Na próxima vez, você vai conseguir!”. Também não se deve esperar a criança pedir para ir ao banheiro. Perguntar se deseja ir ao banheiro de meia em meia hora é uma boa medida. Mesmo quando a criança vem assinalando e pedindo constantemente, os pais não devem se acomodar, pois pode ser que ela não peça sempre. Não fazer cara de nojo e não gerar frustrações com comentários do tipo “Olha isso, você sujou tudo!”. O uso de roupas difíceis de tirar é outro fator negativo. Lembre-se que essa é uma fase em que trabalhamos a independência nas crianças; por isso, é preciso que vistam roupas que consigam manipular sozinhas.

6 – Quando e como realizar o desfralde à noite?

Quando a fralda passar a amanhecer seca. Quanto mais cedo verificar a fralda, melhor. Quando se passam muitas horas, a tendência é a criança fazer. Desse modo, os pais terão como saber se a criança fez na fralda à noite ou de manhã. É preciso preservar a criança e não deixá-la suja por muitas horas. Nós indicamos utilizar plástico impermeável para proteger o colchão. Essas práticas valem também para o sono da tarde, principalmente, quando a criança estuda no período da manhã e, por isso, fica mais cansada.

7 – Como perceber a conclusão do ciclo do desfralde?

A fase de desfralde é finalizada quando a criança não necessita mais da fralda porque não faz mais suas necessidades nas calças ou na cama. Não há prazos estipulados para a conclusão do processo. Há crianças que levam cerca de uma semana para completar o desfralde, há outras que levam duas, e há aquelas que levam até dois meses. Se o desfralde está demorando muito para acontecer, é melhor parar. Caso contrário, pode gerar algum tipo de estresse ou trauma na criança.

8 – Quais dicas você daria para um desfralde de sucesso?

Além das práticas essenciais que já abordamos, há literaturas indicadas especialmente para esse período. Os livros “Não vou mais usar fralda”, “Fada-princesa do penico” e “O patinho usa o penico” são alguns exemplos. Utilize a diversão para contar a história e fique junto no banheiro. Essa é uma atividade que pode colaborar para o desenvolvimento da autoconfiança nas crianças. Elas gostam muito de ouvir aquilo que já sabem que vai acontecer. Funciona como uma forma de autoafirmação, representa segurança, funciona como um “eu sei”.

Pais atentos às dicas da Especialista em Desenvolvimento Infantil

Confira, abaixo,  conjuntos de 10 dicas para você saber se a criança está pronta ou não para o desfralde, como não errar e ainda ter sucesso nesse processo:

QUANDO A CRIANÇA ESTÁ PRONTA?

1. A criança já aprendeu a andar e tem paciência para ficar sentada.
2. Presta atenção no que os adultos dizem e mostra que entende.
3. Sobe e desce escadas alternando os pés.
4. Começa a demonstrar interesse pela retirada das fraldas. Geralmente, a partir dos 2 anos.
5. Mostra desejo em usar o vaso sanitário.
6. Incomoda-se com a fralda cheia.
7. Compreende que tem desejos e capacidade de dizer “não”.
8. Sabe o lugar dos objetos e os guarda corretamente.
9. Imita os mais velhos com gestos ou na maneira de andar.
10. Faz xixi e cocô em horários previsíveis e tem mais consciência do próprio corpo.

ERROS QUE ATRAPALHAM O DESFRALDE:

1. Antecipar o processo.
2. Expor em lugares públicos.
3. Dar bronca se a criança não conseguiu se segurar.
4. Comparar com irmãos ou amigos.
5. Delegar a tarefa unicamente à escola.
6. Apressar a criança.
7. Acomodar-se e esperar a criança pedir para ir ao banheiro.
8. Fazer cara de nojo quando acontecer um escape.
9. Colocar roupas difíceis de tirar.
10. Escolher um momento de estresse para tirar a fralda.

PARA CONQUISTAR O “DESFRALDE COM SUCESSO”:

1. Converse.
2. Pergunte sempre.
3. Use o equipamento correto: penico, redutor de vaso ou apoios.
4. Retirou a fralda, retirou!
5. Primeiro a fralda diurna.
6. Retire a fralda noturna quando perceber que ela está amanhecendo quase sempre seca.
7. Incentive e comemore.
8. Use a diversão e fique junto.
9. Primeiro sentado, depois em pé.
10. Use a literatura.

SUGESTÕES DE LIVROS PARA UM DESFRALDE DE SUCESSO:

1. Princesa Polly e seu penico – Editora Salamandra


2. Super-herói do penico – Editora Girassol

3. O que tem dentro da sua fralda? – Editora Brinque-book

4. O penico do ursinho – Editora Vale das Letras

5. O xixi da Lulu – Editora Companhia das Letrinhas

6. Cocô no trono – Editora Companhia das Letrinhas

7. Hora de usar o peniquinho – Editora Ciranda Cultural

8. Não vou mais usar fralda- Editora Todo livro

9. Fada-princesa do penico – Editora Girassol

10. O patinho usa o penico – Editora Ciranda Cultural

Gostou dessas valiosas dicas dadas por Andrea Miranda? Se sim, compartilhe esse post com seus amigos!

Clique aqui e conheça outras práticas pedagógicas, atividades e projetos significativos desenvolvidos pela Rede Sagrado